Menu
Notifications
Clear all

A Influência da Agenda LGBTQIAP+ na Mídia e Redes Sociais


Evandro Paulo
Posts: 1
Customer
Topic starter
(@profepo)
New Member
Entrou: 7 meses atrás

A Cultura Homossexual do New York Times

Um novo livro expondo a ligação perturbadora entre a imprensa oficial e a imposição do casamento homossexual na América expõe o caso convincente de que o porta-estandarte da Old Media, o New York Times, foi influente na decisão judicial inovadora de Massachusetts legalizando o casamento homossexual.

Em "LIBEL by New York Times", o advogado Ed Pawlick e sua esposa, Sally, presidente da Massachusetts Citizens for Marriage, ligam os pontos entre Arthur O. Sulzberger Jr., o mais novo membro da família Sulzberger a dirigir o Times, e homossexual ativistas - dentro e fora de sua redação.

Sulzberger começou a trabalhar no Times em 1984 e imediatamente começou a identificar e fazer amizade com os funcionários homossexuais na redação, escrevem os Pawlicks. Seu pai, Arthur O. Sulzberger Sr., supostamente tinha sérias dúvidas sobre seu filho, e não foi até 1997 que o jovem Sulzberger obteve o controle total do conglomerado.

Muitos dos que estão na redação do Times concordam com o que os Pawlicks escreveram, como evidenciado por uma confissão surpreendente em julho de 2004 pelo ombudsman do jornal de que as "notícias" no Times sobre homossexualidade equivalem a "animadoras de torcida". O que o ombudsman não informou, no entanto, foi que os homossexuais representam 75% dos editores que decidem diariamente quais matérias colocar na primeira página, de acordo com uma palestra de seu correspondente político nacional, Richard Berke.

Os Pawlicks dizem ter conhecimento pessoal da tendência homossexual do Times. Depois que o grupo de Sally obteve 130.000 assinaturas em 2001 para uma emenda que proibia os tribunais de Massachusetts de impor "casamento gay" ou "uniões civis", o Times usou seu enorme poder político para pressionar o Legislativo estadual a não votar a medida, mesmo que uma votação fosse exigida pela Constituição Estadual - e, portanto, a medida foi encerrada.

Diz Ed Pawlick: "O Times é administrado como uma sapataria familiar pela disfuncional família Sulzberger, com tios e primos discutindo como resolver os problemas do mundo. Seu departamento de notícias agora é administrado pessoalmente por seu último presidente, que está usando o seu poder para promover sua agenda pessoal de impor o 'casamento gay' em todo o país, dizendo que todos os Sulzbergers anteriores eram 'homofóbicos', incluindo seu pai, que agora tem doença de Parkinson".

FONTE: The New York Times' Homosexual Culture. WND, Washington, out. 2004. Disponível em: < https://www.wnd.com/2004/10/26815>. Acesso em: 30 out. 2021.

---

O texto acima foi citado na nota de rodapé nº 20 (pág. 52) da obra "A Estratégia", do Rev. Louis P. Sheldon, onde é relatada a ação de um instrumento da mídia pressionando o parlamento a não votar uma iniciativa popular que buscava derrubar a decisão de Judiciário em permitir a união civil homossexual em Massachusetts.

Nos últimos dias, temos visto a influência da agenda LGBTQIAP+ de tão forma que, quem se manifesta contrário a esta agenda é difamado, linchado virtualmente e até mesmo cancelado nas redes sociais.

A demissão do jogador de vôlei Maurício Souza não foi um fato isolado. Há vários casos de cancelamentos de pessoas por exporem suas opiniões a respeito desta agenda, sendo chamados de nazistas, homofóbicos e até mesmo de terroristas.

De que forma devemos se posicionar nas redes sociais nestes casos? Como podemos agir diante de um apoio maciço da mídia na agenda LGBTQIAP+?

1 Reply
Sara Matsuda
Posts: 2
Customer
(@sara-matsuda)
New Member
Entrou: 8 meses atrás

A língua é de suma importância para a formação do pensamento de todo ser humano. A correta compreensão da língua é usada como base para construir uma opinião e/ou um senso crítico sobre determinado assunto.

Sabemos que a palavra é capaz de moldar e adaptar a forma que pensamos - e uma vez que o nosso raciocínio é moldado, nossas ações também serão. Pois o pensamento precede a ação.

Entenda que o maior mecanismo de dominação e manipulação se chama língua. De forma que, para controlar as ações de um povo -> primeiro a linguagem terá que ser manipulada. O controle do que você pensa é exercido através das palavras (e o significado) que você internaliza.

Por isso que, extirpar um idioma, pouco a pouco, com uma roupagem ideológica -> é de suma importância para ter o controle do intelecto e, logo após, controlar as ações de uma nação - de forma sutil, quase imperceptível. E é assim que a ideologia de gênero - bem como todo tipo de revolução sexual (depravação sexual, melhor dizendo) - é impregnada e aceita como algo "normal" em nossa sociedade.

Responder
Compartilhar: